Início > Educação, Filosofia, Filosofia da Linguagem, Universidade > A importância de Wittgenstein na filosofia contemporânea

A importância de Wittgenstein na filosofia contemporânea

image_pdfimage_print

Inicialmente (1) o assunto deste artigo parece um pouco corriqueiro, mas creio ter seu valor: será uma análise simples sobre a importância que este filósofo exerceu (e excerce) em nossa filosofia contemporânea. Essa, que é uma relação que no fim, podemos dizer um tanto dialética – pois verificar a extensibilidade da importância de um filósofo é no fim último verificar o processo dialético cujos pensamentos deste filósofo pôde provocar. Este artigo é, de certa forma, uma pequena forma de expressar a minha admiração por este filósofo.

Wittgenstein

Wittgenstein

Posso, então, começar dizendo que Wittgenstein foi um filósofo atípico (isso se pudermos criar um tipo de filósofo padrão, o que creio ser difícil). Tanto no desenvolver de sua filosofia, quanto no seu histórico de heterodoxia escolar. Ainda, tanto atípica foi a influência que este filósofo causou à filosofia contemporânea – como veremos neste pequeno trabalho, que algumas vezes baseadas nas mais diversas interpretações do mesmo (algumas inclusive não o agradando muito).

Um ponto é pacífico que, independente de gostarmos ou não de sua filosofia, ou ainda que venhamos a discordar de sua pretensão de resolver todos os problemas filosóficos (ao menos no Tractatus), devemos levar em consideração a profundidade e fecundidade de sua filosofia – o que deixou uma marca funda, indelével e permanente na história da filosofia contemporânea.

Mesmo se formos adeptos à filosofias mais continentais (como costumam por vezes separar a filosofia como continental e analítica), devemos postar um olhar de respeito e questionador ao debruçarmos sobre a questão da importância deste filósofo na atual filosofia.

Se verificarmos a biografia de Wittgenstein, descobrimos que o mesmo foi fruto de uma educação fora do padrão de sua época, o que poderia ser considerado por alguns como uma heterodoxia. Wittgenstein foi educado pelo pai até atingir a idade de 14 anos, devido a idéias educacionais deste último. Quando tentou entrar no colégio, Wittgenstein teve problemas na admissão escolar, e quando conseguiu ser admitido estudou por 3 anos numa escola em Linz; após este período não conseguiu créditos para entrar na universidade; embora tivesse interesse. Então foi para uma escola técnica, visto que tinha aptidão com as exatas.

Foi com as exatas que começou a se aproximar da filosofia. Se interessou por matemática e acabou por ler os Princípios da Matemática de Russell. Assim Wittgenstein estudou o ramo da filosofia da matemática e travou contato com Frege após escrever um ensaio (e Frege enconrajou-o a encontrar Russell). A partir daí Wittgenstein foi para Cambridge, onde pôde conversar com Russell e estudou por lá por cinco períodos.

Portanto, temos que Wittgenstein teve em sua filosofia inicial uma profunda influência de Russell, mas como veremos a seguir este também teve uma influência de Wittgenstein, devido a força de suas idéias; demonstrando o quanta força dialética teve entre os dois; mostrando que a via de influência não foi uma mão única, mas dupla.

Uma prova disto é o que podemos destacar o que Grayling afirma em seu livro introdutório “Wittgenstein”:

“Uma conseqüência importante da influência de Wittgenstein foi Russell não ter publicado um livro que estava escrevendo quando Wittgenstein foi a Cambridge pela primeira vez. Ele ia se chamar Theory of Knowledge. Apenas seus primeiros seis capítulos vieram a luz do dia, na forma de artigos; Russell abandonou o restante por causa da hostilidade de Wittgenstein contra o escrito. Numa carta a um amigo, escrita em 1913, Russell relatou o que acontecera: ‘ Estávamos ambos irritados com o calor. Mostrei (a Wittgenstein) uma parte crucial do que estivera escrevendo Ele disse que estava tudo errado, não percebendo as dificuldades – que ele tentara minha visão e sabia que ela não funcionaria. Eu não conseguia entender sua objeção (…), mas senti em meu íntimo que devia estar certo, que viu algo que não percebi’”. (p. 78).

Seu livro Tractatus logico-philosophicus introduz uma análise da linguagem que chamamos de teoria pictórica da linguagem. Nessa teoria a linguagem representa o mundo assim como figura representa o que está estampado em si. Esse modo de análise do chamado primeiro Wittgenstein (como ficou conhecida a primeira fase deste filósofo), assume que existe uma estrutura subjascente da linguagem e que a função da linguagem é representar coisas do mundo.

Esse ponto de vista caiu como uma luva na época do chamado “Linguistic Turn” ou virada lingüística.

Uma das facetas da filosofia contemporânea, que podemos destacar (embora não seja a única faceta) é a busca pela resposta das perguntas “o que é linguagem?” e “como ela opera?”. Essa faceta chamamos comumente de virada lingüística, no qual alguns filósofos se deteram a estudar.

E justamente nesta faceta, mas não unicamente nela, o pensamento de Wittgenstein foi de profunda influência.

O Círculo de Viena, por exemplo foi profundamente influenciado por sua filosofia, embora Wittgenstein nunca tivesse comparecido a nenhuma de suas reuniões e não concordava com sua postura (e alertava que eles mal haviam compreendido sua filosofia).

Para Wittgenstein, nesta fase do Tractatus, os problemas da filosofia seriam problemas de ordem da linguagem. Este tipo de afirmação encaixou-se profundamente na forma de pesquisa que alguns filósofos da época desenvolviam.

Sendo assim, elucidar o funcionamento desta estrutura da linguagem é resolver os problemas da filosofia. E para ele, ao elucidar o suposto funcionamento da linguagem, ela se daria pela representação pictórica do mundo. Este tipo de posição levou a algumas conclusões, como que a linguagem serve para representar o mundo e que existem expressões que são vazias e não falam do que há no mundo: assim até o próprio Tractatus deveria ser descartado, pois estar a falar da linguagem e não do mundo (como disse no próprio Tractatus, no qual o livro seria como uma escada, que após subida deveria ser descartada). Com isto tudo não é difícil de acreditar que Wittgenstein teria, um tanto que presunçosamente, achado ter resolvido todos os problemas da filosofia.

Esta primeira fase de Wittgenstein ajudou a alimentar a mente de alguns filósofos positivistas lógicos que se reuniam no famoso Círculo de Viena.

O Círculo de Viena foi um grupo de filósofos, liderado por Schlick, no qual desenvolveram o positivismo lógico. Este tipo de filosofia procurava combater o que eles assumiam como metafísico, pois acreditavam que estava sem nenhum significado (portanto não que estivesse necessariamente errada, mas que estivesse sem nenhum significado) e encapsulavam o conhecimento como o que é científico, fazendo uso do verificacionismo (um resquício do empirismo já tradicional, que consiste na idéia de verificar sentenças para analisar sua veracidade).

Com esse arcabouço de idéias, o círculo adotava então um ideário que absorvia o que eles liam de Wittgenstein, embora o mesmo achasse que eles teriam entendido de uma forma não adequada. Wittgenstein I, o do Tractatus, portanto com suas idéias sobre a função da linguagem a falar coisas do mundo e que o inefável é assim indizível, impronunciável, foi um profundo rio caudaloso que alimentou muitas dos desenvolvimentos que o círculo desenrolou.

Entretanto Wittgenstein não necessariamente desacreditava no inefável e desmerecia o místico em sua filosofia primeira, mas sim dizia que estava para além da linguagem e de sua função. Mas para a imagem que o Círculo de Viena fazia de seus escritos era outra: a nulidade do místico. De qualquer forma isto é uma influência, e das maiores.

Anos mais tarde Wittgenstein se afastou destas idéias e conclusões e passou achar que seus ideais contidos no Tractatus estavam errados. Desenvolveu, portanto, em seu livro (de publicação póstuma) Investigações Filosóficas algumas idéias, que também foram de grande valor para influências grandiosas, principalmente para os filósofos de cunho pragmatista.

O pensamento que se desdobra na fase das Investigações, é chamada por muitos autores de segundo Wittgenstein (ou ainda Wittgenstein II). Este pensamento está baseado na idéia que a linguagem não possui uma estrutura rígida e fixa que zela única e exclusivamente pela representação do mundo, mas que ela é composta de uma série de jogos lingüísticos, cujos significados estão a orbitar tais jogos.

Nesta teoria, o significado não é produzido do individualmente, pois a teoria rechaça a idéia de linguagem privada ou uma língua que seja exclusiva a uma única pessoa. Os jogos de linguagem mantém em si os parâmetros e regras de conversação entre os interlocutores.

Essa nova forma de abordar a problemática da linguagem assumiu que a função da linguagem não é apenas representar o mundo, como na forma pictórica do Tractatus. Também assumiu que o funcionamento da linguagem está diversificada em muitos tipos de jogos (o que abriu uma gama de interpretações baseadas no ponto de vista social).

Assim, portanto, vários filósofos pragmatistas viram-se influenciados por este tipo de pensamento. Temos dentre vários Austin, como um filósofo que teria desenvolvido a idéia que a linguagem possui também a função de fazer coisas e não somente comunicar (e com isso desenvolveu a noção de atos de fala).

Na teoria de Austin, como a linguagem é tida (no segundo Wittgenstein) como um jogo, baseado no modo de vida de seus falantes, e que possui regras próprias para o entendimento; não sendo necessariamente um corpo rígido de representação única e exclusiva do mundo tal como é, assim Austin faz uma interessante reflexão sobre a linguagem. A linguagem, para este filósofo, influenciado por Wittgenstein (o segundo), não é somente para dizer coisas sobre o mundo, mas também para fazer coisas no mundo. Daí o viés pragmático que podemos salientar e que as Investigações Filosóficas desembocaram.

Assim, para o pragmático Austin, a linguagem não tem papal fundamental de representar coisas, mas de mecanismo de ação no mundo. Portanto o significado de algo numa linguagem está relacionada não à análise lógica do funcionamento de cada parte da sentença, mas sim nas formas de uso das mesmas (lembrando aqui do conceito de jogos de linguagem). E essa forma de uso engloba não somente as regras do uso, mas também o contexto e em última instância, mas não menos importante para o pragmático: a intenção de quem estar a falar. Com toda esta reflexão, Austin compreende que existem, a grosso modo, na linguagem as sentenças que são de ordem performativa e as que são constatativas. A primeira que visa mudar um estado de coisas no mundo, e a segunda a constatar um. De qualquer forma, nota-se a grande influência de Wittgenstein neste nível teórico.

Mas não somente os pragmatistas foram influenciados pelo pensamento do segundo Wittgenstein. Com os ideais diferentes nas Investigações, questões como o místico, o inefável etc sofreram mudanças em sua perspectiva. E essa mudança também influenciou diversos outros filósofos e de outras áreas. Temos, por exemplo, D.Z. Phillips em sua filosofia da religião que é chamada de contextualismo wittgensteiniano.

O contextualismo wittgensteiniano está embasado na visão dos jogos de linguagem do segundo Wittgenstein. Como já explicado, sa segunda fase de Wittgenstein, a linguagem é encarada como um conjunto de jogos, cujas regras de comunicação são próprias, porém que não são de origem única e exclusiva do indivíduo: existem regras em cada jogo lingüístico que os membros devem seguir para haver a comunicação. Assim o significado está relacionado com a forma de vida desenvolvido naquele grupo cujo jogo é pertencente, ou seja para compreender o significado, devemos estar inserido no contexto do modo de viver daquele grupo, do modo de estar no jogo lingüístico Portanto essas regras dos jogos são acordos públicos e não imposições individuais.

Da mesma forma, no contextualismo wittgensteiniano a crença em Deus é considerada um jogo, no qual o caráter da existência de Deus ou da crença em sua existência, além da religião, são jogos, nos quais o o entendimento de seus significados estão para além de um cálculo que postule sua semântica – o significado último destes estariam fora do âmbito científico e portanto para compreender deve-se estar imerso no jogo.

Lógico que não é necessário dizer que o contextualismo wittgensteiniano sofre de inúmeras críticas, mas serve para ilustrar o quanto de influência Wittgenstein causou (e causa) não somente no âmbito lingüistico, mas também no epistemológico e na filosofia da religião.

Desta feita, podemos concluir que, os pensamentos de Wittgenstein (tanto o do Tractatus, quanto das Investigações) tiveram uma influência enorme dentro da filosofia contemporânea. Seja para adeptos de sua filosofia, ou aqueles contra suas conclusões e asserções. Influência tal que é digna de uma nota, pois por mais que não nos deixemos estar inclinados a aceitar algumas de suas asserções, é certo que de alguma forma a força de seus escritos nos venha bater a porta, sugerindo algumas reflexões magníficas ou ainda secundariamente ao colhermos frutos de outras filosofias diretamente derivadas dele (mesmo que numa incompreensão primária do original); afinal a filosofia analisada como um corpo parece-me não apenas um amontoado de compreensões academicamente aglutinadas sem nenhuma falta aparente, mas talvez seja diversos mecanismos dialéticos entre o compreender completo e o aprender.

Arnaldo Vasconcellos

(1) – Artigo parcialmente baseado em ensaio apresentado na disciplina de Filosofia Contemporânea na Universidade de Brasília. Disciplina ministrada pelo professor Miroslav Milovic.

Educação, Filosofia, Filosofia da Linguagem, Universidade , , , ,